quinta-feira, 5 de junho de 2014

Trovoadas de Verão



Está calor e troveja ao longe.
São duas da manhã
e um banco de névoa desce a encosta cobrindo tudo à sua passagem.
Como um mar de neblina cinzenta
atravessa os rios, varre estradas e move-se...
...move-se como um espectro, ou uma espécie de entidade.
E eu, de pé, aguardo que me envolva também no seu silêncio misterioso e frio.
Cai uma leve chuva de verão, em harmonia com os ritmos da natureza.
Afinal, esta chuva e esta bruma compoem a minha própria sinfonia.
E há algo neste silêncio que é calmante
de uma forma que não sei transmitir...
mas sei que a cada raio que cai e a cada trovão que se ouve
nasce um novo guerreiro
pois atrás da névoa hipnótica e calmante
pode ocultar-se uma noite de tempestades.

SLL

Sem comentários:

Publicar um comentário