terça-feira, 3 de junho de 2014

Aniversário



Eu, o anátema, num estado de solidão,
num caminho crescente e minguante
na escuridão inveterada
no silêncio retumbante...

Um dia encontrarás uma carta
um pergaminho amarrotado,
manchado com as lágrimas e o sangue
que fluem livremente da minha alma.

Não há loucura na escuridão

entreguei a vida
às mãos cruéis do tempo
pois que mais um ano se passou,
e uma eternidade...

é por isso difícil olhar nos olhos
o rosto que o espelho me devolve.
Uma imagem do tempo de envelhecimento
a drenagem da juventude da carne e dos olhos

E não há loucura na escuridão

e as minhas mãos perderam substância
a minha caneta perdeu o seu fluxo
e as minhas palavras lentamente perdem significado
reformuladas e descartadas diante dos meus olhos.

É para o abismo que olho
horas e horas, curiosamente num infinito vasto
O nada absorvido completamente no sentido,
tornando-se sem medo
o algo
que como eu, desaparece lentamente a partir da luz do dia...

SLL

Sem comentários:

Publicar um comentário