terça-feira, 3 de junho de 2014

Partidas



Ela deixou-me…

aos poucos, um bocadinho de cada vez, um pedaço em cada dia.
O calor que me transmitia quer eu dormisse ou me pensasse excitado foi-se diluindo. Afastou-se como se eu não o percebesse ou ela não me entendesse.
Foi desaparecendo todos os dias. Foi assim que a natureza a fez. Por que havia de ficar se nunca antes o fizera?
Por mim, fui-me mantendo por perto. Tranquilo como o desejo permite. Aparentemente desinteressado como se a sua temperatura não tocasse a minha. Uns pingos de chuva, nesse tempo, caíam como temporal em clima tropical.
Mas foi. Tinha de ir porque é esse o ciclo que nos incompleta quando nos encontramos cheios.
Foi há poucos dias.
Voltará depois do frio em que me esquentará e da esperança que não sei se renascerá.
E ela continuará a ser como e o que era dantes e eu ficarei sempre sem saber se voltarei a ser como dantes era.
Quero e creio que o ciclo da vida se manterá.

O Verão deixou-nos como sempre na data prevista. E vai sereno o Outono.

J. Orlando Rocha

Sem comentários:

Publicar um comentário