terça-feira, 27 de maio de 2014

Palavras São Armas



A REVOLTA DO PEIXELIM
“Na contradição jaz a esperança”
B. Brecht

O peixelim anda escamado, o mexilhão aturdido; em águas turvas, a vida é difícil para o peixe miúdo e mesmo alguns crustáceos, habituados às marés vivas da pouca sorte, já andam enjoados. É demais! Reclamam.

Os tubarões, temendo tempestades de descontentamento, tentam vender o seu peixe: “que se o mar anda alterado a culpa é do peixe-diabo, que os peixes vermelhos são perigosos, sobretudo indigestos, que o melhor seria não andarem em cardume, que cada qual vivesse a sua vidinha”. Em suma: não fizessem ondas!

Embora não pertencendo à família do mais antigo dos vertebrados, o proletário peixinho-da-horta que, não sendo carne nem peixe, sofre a rebentação do mal-estar que o rodeia, exclama apreensivo: Estou frito!

As piranhas do nosso descontentamento, sentindo-se, perdoem-me a redundância, como peixe na água, trabalham para o peixe graúdo que não esconde o seu agrado por tão profícuo e leal entendimento. Ambos são insaciáveis!

O próprio fiel amigo, que vestia ganga, aparece-nos de alpaca, impante como qualquer jovem executivo, quando investido de alto cargo.

Não está fácil a vida do peixelim. Companheiros de longa data são levados nos arrastões da vaidade, esfolados, esquartejados em simétricos rectângulos e postos no mercado em embalagens de luxo, tal como aqueles pelintras que rolam em luxuosos bólides e enganam o depósito com cinco euros de gasolina.

Entretanto, o peixe miúdo está atento: sabe que há mais marés que marinheiros, que a vida não é um mar de rosas ou de algas – já que mergulhámos o nosso vocabulário no mundo aquático – e que o chamamento das sereias perdeu actualidade.

Tal como os anjos inatingíveis, na imensidão dos céus, receosos do peixe-homem, o peixe-anjo vive na profundidade dos oceanos inacessível aos que procuram milagre em águas mornas, onde a calma é absoluta, mas a pressão insuportável.

Pregar aos peixes!… Mas quem lhes liga? E, no entanto, insistem por todos os meios ao seu alcance. Quem? Os que acreditam que o peixe pequeno ainda os ouve.

Viver tranquilamente à flor da água, usufruindo das delícias do sol e do céu que com o mar se confunde, está vedado ao peixe miúdo. Sonha ser peixe-voador e libertar-se, mas cada vez mais na revolta que interioriza, sente-se peixe-espinho quando por ele passa o peixe-rei, peixe-ministro ou secretário, soberbos, pavoneando-se com os seus séquitos de sanguessugas que mais parecem esponjas ou lapas, vegetando no bojo do poder.

Agitar as águas, libertar os seus irmãos em cativeiro ou viveiro ou lá o que é, utilizar as vagas com lucidez e determinação e, quando menos se espera, surge o maremoto que, na fúria que transporta, limpa encostas, enseadas, a foz dos rios tudo purificando na ressaca.

Purificar, pois, com esta bela palavra de revolta e de paz: purificação! Não vá alguém pensar que abuso de metáforas ou suspeitar que pretendo insinuar o que quer que seja.

Os trabalhadores não têm nada, absolutamente nada, a ver com esta estória. Juro e faço figas!

Os trabalhadores são combustível e motor da história e manifestam-se lutando pela liberdade, o mesmo é dizer, o direito de usufruir de uma vida digna de ser vivida.

Cid Simões.

Sem comentários:

Publicar um comentário