quarta-feira, 28 de maio de 2014

Natal



Penso, penso e penso... e pouco ou nada concluo. Nem sequer sei se pretendo chegar a algum lado com estes pensamentos.
Eis ali um homem, por detrás do véu que separa os mundos. Estranho, como plácido nos observa de outra dimensão onde a aurora nasce neste momento.
Mas eu conheço-o. Quando era menina, ele vinha e lia-me com inabalável determinação os contos de fadas dos livros de capas velhas que havia lá em casa. E olhava-me. Olhava e sorria... e eu acreditava.
Enquanto os seus dedos corriam pelas páginas, o brilho no seu olhar mudava, e ele explicava que nós, confusos andarilhos humanos às cabeçadas à linha do tempo, nunca percebemos quão dolorosamente curto este é.
Matamos aqueles que podiam salvar-nos, louvamos aqueles que nos matam. Todos os dias...
E eu pensava "como é possível".
Ainda hoje penso: - "Como é possível?"
E ontem ele regressou, após anos de ausência... Mas ontem regressou.
Trazia a mesma expressão de afecto de sempre e senti uma dor no peito acompanhada de uma lágrima que caiu.
Ele lembrava-se de mim.
E desta vez, trazia uma mulher com ele. Ao seu lado, mão na mão. Linda, sorridente e afectuosa.
Sentaram-se junto a mim, e enquanto ela pousava a mão nos meus cabelos, ele recomeçou as histórias interrompidas há tantos anos.
Acabei compreendendo que existem contos de fadas durante toda a nossa vida, nós apenas nos tornamos duros demais para os reconhecer, compreender ou mesmo... aceitar.
Ela colocou então as duas mãos na minha testa e senti-me cair numa escuridão profunda. Continuava a ouvir as suas vozes, mas desta vez estava lá e pude ver a raça humana vivendo século após século no medo do desconhecido, da morte, dos pensamentos dos outros, dos seus próprios pensamentos, das palavras.
Temem até o pensamento que vem a caminho mas não chegou.
As mentiras quebradas e os corações endurecidos, o que está para vir, ou não, mas só amanhã...
O desconhecido que flui nas mentes é afinal conhecido, a realidade está ali adiante, a culpa em toda a parte e a razão é uma brasa em lago congelado.
E três espectros reais buscaram que o incenso e a mortalidade se entrelaçassem.
Ela trouxe-me de volta. Os três enlaçámos os dedos e ficámos calados. Mas eles sabiam que eu compreendera.
- Parece tão trivial, um dia que para muitos tem auréola de stress abençoado, manifesta lixo e drama que já não surpreende.
Tenho certeza de que não há neve em Belém, nem a estrela tem um patrocinador...
Ou terá: o Santo Padroeiro da ganância...
Há humanos no mundo, mas para onde foi a humanidade?
Plantamos árvores para depois as cortarmos, há dinheiro para fazer a guerra mas não para dar a todos qualidade de vida.
E onde está a justiça no mundo?
Tornámo-nos tão acostumados a lavagens cerebrais
que nos esquecemos de pensar por nós mesmos.
E enquanto as pessoas se sentam com bebidas e chocolates, a ver filmes em família,
pintam hoje, e mais uma vez nos seus espíritos novas camadas de verniz necessário...

SLL

Sem comentários:

Publicar um comentário