terça-feira, 27 de maio de 2014

A Barca



Ias na proa da barca, singela.
Teu olhar vogava à flor das águas
e tua mão tocava-as, distraída.
Eu era teu barqueiro.
Fazia deslizar os remos, silencioso.
Mas já atearas em meu corpo
o rastilho do amor. E como a mariposa,
era atraído à tua chama intensa.
Só me falta arder no teu incêndio.

Avelino de Sousa, Poemas, Ed. de Autor, 2005

Sem comentários:

Publicar um comentário