quarta-feira, 28 de maio de 2014

Interregno



Às vezes
A palavra cai como fel
Nos desvãos dum tempo inesperado,
Momento entre a graça e a desgraça
Pegajoso e doce como mel,
E a fala não fala do que fala
E a espuma dos lábios
Seca silêncios de raiva
Do sentir e não ter como dizer.

O que há para dizer
Não tem palavras.

AVSousa (foto do autor)

Sem comentários:

Publicar um comentário