terça-feira, 26 de agosto de 2014

A Inveja não tem Passado



Ainda não tendes advertido, que a inveja faz grande diferença dos mortos aos vivos, e dos presentes aos passados?

Os olhos da inveja são como os do Sacerdote Heli, dos quais diz o Texto sagrado, que não podiam ver a luz do Templo, senão depois que se apagava: 
Oculi ejus caligaverant, nec poterat videre lucernam Dei, antequam extingueretur. 

Enquanto as luzes são vivas, cada reflexo delas é um raio, que cega os olhos da inveja: porém depois que elas se apagaram, e muito mais se se metem largos anos em meio, então abre a inveja, como ave nocturna, os olhos; então vê o que não podia ver: 
então venera e celebra essas mesmas luzes, e levanta sobre as Estrelas seus resplendores. 

Por isso disse com grande juízo S. Zeno Veronense, que todo o invejoso é inimigo dos presentes, e amigo dos passados: 
In omnibus se inimicum praesentium servat, amicum vero pereuntium. 

Os mesmos que agora amam, e veneram tanto (...), se viveram em seu tempo, o haviam de aborrecer e perseguir; e as mesmas maravilhas, que tanto celebram e encarecem, se foram obradas na sua Pátria, as haviam de escurecer e aniquilar.

António Vieira

Sem comentários:

Publicar um comentário