terça-feira, 7 de abril de 2015

Soltas



Espero a minha derradeira dança em 42 notas plangentes tocadas por sombras nebulosas, num mundo que desejava verde e branco, azul, dourado e subtil, quais colinas onde habitam as fadas que há tanto tempo o Homem expulsou do seu mundo....

... para fazer algum sentido, hoje divido pensamentos que geralmente me mantêm cercada, e por isso é o meu punho que dispara agora em revolta e quebra o vidro que separa os dois mundos: o real do real.

... Ah, quem me dera ser o olvido...

SLL2015

Sem comentários:

Publicar um comentário