terça-feira, 25 de novembro de 2014

Ensaio sobre a paz roubada

Não é possível, no cômputo geral dos factos, deixar este texto passar em branco sem o trazer para reflexão.... não é de minha autoria, mas podia tê-lo escrito, no entanto nunca tão bem. E sofre este jovem de 32 anos pelos mesmos sentimentos e cansaço de uma mulher de 41, com 10,000 a pesar-me na alma? Sim... é sentido. E espelhado.



Após uma longa ausência, quem sabe mais prolongada do que o esperado, regresso à escrita com a serenidade de um Pai que esteve longe do seu filho primogénito para seu próprio bem.
Apesar de mais esgotado do que nunca, a ânsia de esvaziar o pensamento trouxe-me aqui…

Recomeço com o cansaço marcado no rosto e a desilusão na alma.
Hoje, enquanto escrevo este texto, o vento trouxe-me uma necessidade absoluta de mudança. Virou.
Cansei de caminhar na direcção contrária e de arrastar comigo um peso que não é meu.
Cansei de procurar e fazer força.
Abro a mão, liberto os pés e deixo o vento levar-me para onde a Vida quer.
O único peso que carrego nas minhas costas, é a minha sombra. Essa que faz parte de mim e se mostra quando o sol está radiante, e me apoia, bem cá dentro, quando escurece.
Não posso carregar mais porque não consigo.
A minha responsabilidade pelo que poderia ter sido e não foi é zero quando atrás de um Universo de aparências há loucura e destruição.

Em algum momento da minha Vida devo ter sido amaldiçoado porque, não raramente, as pessoas que mais me dizem amar são as que rapidamente se tornam minhas inimigas e me odeiam com uma força destruidora.
Não duvido que me odeiem porque são incapazes de ver a sua imagem refletida no meu rosto.
Eu sou o espelho do que as pessoas realmente são porque não guardo nada para mim.
Sinto uma necessidade louca de dizer, transpor em palavras o que sinto. Sem fugir.
Não fujo de qualquer debate, discussão ou confronto.
Não devo nada a ninguém, e nunca fizeram por mim o que tento, tantas vezes, fazer por terceiros.
Não sou condescendente porque sei quanto custa viver.
Sei mais do que deveria e aprendi antes mesmo de falar, andar ou escrever.

O mundo é um lugar estranho. Ao invés de as pessoas se adorarem, fazerem amor, abdicarem um pouco de si, vivemos numa época em que o umbigo e o ego de cada um são maiores que o planeta em que vivemos.

Não há espaço, não há margem ou rio que não transborde de arrogância.

Há muito queria ter força para mudar algumas coisas, mas hoje aprendi que o cansaço também é capaz de trazer contida um resto de esperança. Pelo cansaço se sente o palpitar de uma mudança, pela força de viver se consegue.

Ando cansado como nunca estive nos meus 32 anos. É muita coisa ao mesmo tempo, pouco tempo para absorver, muita confusão na minha cabeça e uma enorme lista de coisas para resolver.
Sempre fui uma pessoa de resolver. Não faz parte de mim a indefinição de um tempo que não se cumpre.

Eu não vivo de mentiras, promessas quebradas ou juras enganadoras. Sempre me entristece qualquer desses acontecimentos.
Ora, se eu não falto à minha palavra, se eu não quebro as minhas promessas, nem juro algo para daí a 2 ou 3 dias falhar, porque tenho de me sujeitar a ultrapassar questões que não coloco?

O mundo está, de dia para dia, a tornar-se um lugar muito estranho para mim. Já não me chega o isolamento.
A maldade sempre acha caminho.
A arrogância, sempre passa por entre as grades.
O egoísmo, sempre desperta com o meu sucesso.

Estou cansado como nunca estive e só isso me impede de sair pela cidade e espairecer um pouco.
A tristeza existe não porque mereça directamente, mas porque indirectamente a deixei entrar na minha vida e permanecer.
Enquanto escrevia este texto o vento trouxe-me uma vontade terrível de mudar.
Talvez deitar-me ajude um pouco. Mesmo que não durma saberei sempre que o corpo está em paz com a cabeça.

Bastava me deixarem, e quererem, e eu seria muito feliz.
Um dia entenderei o que tanto procuram estes guerreiros do vazio. O que defendem?

A honra de Nada?
Os seus próprios interesses, acima dos interesses gerais?
A sua alegria?
A sua felicidade?
Não me parece.

Acho que apenas não querem, e não querendo, não conseguem viver em paz.
O pior é que com isso roubam a paz de quem precisa disso para descansar finalmente…

https://fuinhosantos.wordpress.com/

Sem comentários:

Publicar um comentário