domingo, 13 de julho de 2014

Teias



A aranha do meu destino
Faz teias de eu não pensar
Não soube o que era em menino,
Sou adulto sem o achar.
É que a teia, de espalhada
Apanhou-me o querer ir...
Sou uma vida baloiçada
Na consciência de existir.
A aranha da minha sorte
Faz teia de muro a muro
Sou presa do meu suporte.

Fernando Pessoa

Tela de Luís Paredes

Sem comentários:

Publicar um comentário